sábado, 2 de julho de 2011

República da Chacarinha

Vivi cerca de vinte e cinco anos numa chácara.
Longe do asfalto, com a casa mais próxima situada a uma quadra
e um punhado de pastores alemães como compainha.
Os vizinhos só povoavam as imediações nos finais de semana.

A casa era um aquário. Funcional mas simples.
Tinha um horizonte aberto que eu podia dominar pelas grandes janelas de todos os quartos, da sala e da varanda envidraçadas de ponta a ponta. Dalí eu divisava um mundo sem fronteiras.

Bom mesmo era o jardim bem cuidado, com alamedinhas laterais guarnecidas de lírios e hortências e o atapetado verde de grama fininha.

Quando eu me mudei de lá, o que mais me fez falta foi poder enxergar bem longe...
Os limites próximos não nos dimensionam corretamente.
Nossa relação com as coisas, nosso corpo no espaço, a abrangência do nosso espiar...
nada disso é real quando os limites tem o raio dos nossos braços estendidos, muitas vezes nem esticá-los é possível.

Vendo como todos vivemos atualmente, tão amontoadinhos e apesar disso tão sozinhos,
não entendo porque não é mais atraente viver distante do burburinho mas à larga.
Eu não estou falando dos condomínios mas de bairros comuns, com uma avenida central, um comércio de conveniência, uma praça e uma ou duas escolas.

O que foi que mudou no conceito de viver bem dos anos 50 pra cá? 

                                                 então inté, jacaré!

10 comentários:

  1. A chácara era do caralho.

    ResponderExcluir
  2. Olá filha Fal,
    Não meu bem,tinha sibipiruna,pé de caqui,de laranja e limão,goiabeira,figueira,jabuticabeira,
    ameixeira,amoreira pé de café,castanheira,ipês de várias côres, manacás, pinheiros,quaresmeiras mas carvalho não tinha não.

    ResponderExcluir
  3. HUAHUAHUAHUAHUA

    "nada disso é real quando os limites tem o raio dos nossos braços estendidos, muitas vezes nem esticá-los é possível"

    bela metáfora esta... mas a gente precisa de limites, não precisa? :)
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Olá Isa alecrim
    Eu sempre posso contar com você.
    É,é sim,precisamos nos limitar.Por que mesmo?

    ResponderExcluir
  5. pois é... e impor limites tumém. é uma vida muito selvagem lá fora, querida :)
    Ainda nao consegui ler o post abaixo pq tou louca de trampo aqui. Mas vou ler, óbvio :)
    bjo

    ResponderExcluir
  6. hors sujet, Maliu, mas nao tenho como nao te mandar este link emocionante.. .http://www.youtube.com/embed/G_gmtO6JnRs

    e olha que tinha o Berlusconi na sala! Bacini, aliki

    ResponderExcluir
  7. Olá Aliki de longe
    Devo confessar que malhei o Apolo um pouco pressurosa com o seu olhar.
    Vou lá na sua indicação.beijinhose carinhos sem ter fim.

    ResponderExcluir
  8. Oi,Marli.Leio o blog da fal há uns sete anos e sempre gostei das histórias que ela conta sobre você.
    Li o seu blog desde o início e hoje decidi comentar.O blog está ótimo.
    Fico imaginando uma chácara com ipês de todas as cores e manacás, que eu adoro.Deve ser do carvalho mesmo, hahaha! Tereza.

    ResponderExcluir
  9. Olá Silvaninha. a bela dos Pampas,
    Foi vendida pra comprar a casinhola do Brookin,
    onde moramos hoje. Foi negócio certinho, a casa me deu tudo o que eu precisava, mas a chácara ainda mora no meu coração.


    Olá Tereza, querida.
    Fico muito feliz quando sei que meus pensares rimam com o de outra pessoa.Não só isso dá estofo ao que penso e sinto mas decubro que ainda tenho com quem conversar além do povo que me atura por falta de opção...feito a Fal, pobresinha...

    ResponderExcluir

Olá, deixe seu recado para mim :o) Um beijo, Maliu