terça-feira, 17 de maio de 2011

chovendo no molhado

Quando nos instalamos sobre dois pés, na nossa carreira evolutiva, divisamos um horizonte mais amplo.

Nossas mãos ficaram livres para carregar coisas, fazer coisas, cultivar coisas. Enfim...

Nossa boca deixou de carregar coisas, então nossos grunhidos se desenvoveram, passamos a articular
p a l a v r a s.

Nós nos humanizamos.

Tudo o que os humanos fazem e que não é fisiológico (excluam alguns políticos) é cultura.

O galho seco que foi apanhado para alcançar a fruta mais alta, atingir a caça mais distante ou golpear o inimigo desavisado.

A pedra grande e redonda, lançada, para afugentar o predador, derrubar a fruta mais alta, golpear o inimigo desavisado.

A pedra longa e áspera usada para cortar a mandioca, esfolar a caça e o inimigo desavisado.

As roupas para proteger da chuva,do sol, da urtiga, do espinheiro,do formigueiro, do frio,
dos parasitas, dos predadores e dos inimigos desavisados.

A ânfora para carregar e armazenar água (e óleo, e vinho...) e o inimigo desavisado.  

O lápis,o lap.

O tribunal, o hospital, a banca de jornal, a praça, o preço, o prego, a prega da saia, a placa de pare, o microscópio, o telescópio, o estetoscópio.

Tudo isso é cultura.

A pintura, a escultura, a música, a dança,
o teatro, a fotografia, o cinema,
as cores nas roupas os colares, os piercings, os aderêços mil,
são facetas da cultura que visam
compreender e apreender o mundo e
seus fenômenos,  seus habitantes e
comunicar. Até pros inimigos desavisados.

Quando um grupo fica isolado num só lugar por determinado tempo,
os recursos à volta, os instrumentos e as técnicas
já constantes do seu arsenal cultural
mantêm-se os mesmos,
tornando-se, essa cultura,
emperdernida,cristalizada, imutável,
chatíssima.

A influência que diferentes grupos exercem uns sobre os outros,
transforma técnicas,
diversifica utensílios,
ensina truques,
aumenta o instrumental e
a compreensão,
multiplica possibilidades
e avanços.

A mesclagem mostra o ponto de vista do outro,
faz aceitar as diferenças,
faz nos aceitarmos originais
e pricipalmente, principalmente,

deixamos de ser o inimigo desavisado.


Aculturação não é só uma necessidade, é uma obrigação.


Como dizem Ivan Lins e Víctor Martins:   "Somos todos iguais nesta noite"
Somos todos iguais.

                                                                 então inté jacaré!

18 comentários:

  1. Uia, que surpresa boa! Salvou o meu dia! Adorei!

    Mônica San Galo

    ResponderExcluir
  2. Tá do caralho isso, nega.

    ResponderExcluir
  3. Oi Mônica Gentil,
    Obrigada pela presença,que bom que cê gostou.

    ResponderExcluir
  4. Olá,Fal Fil (ha)

    olha o palavrão!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Isa Alecrim
    A Jato tá em manutenção ,seu comentário su m i ...

    ResponderExcluir
  6. Maliu é mais que cultura é uma aula inteira - das boas.
    Não sei o que tenho para trocar, mas estou adorando receber ;c)

    ResponderExcluir
  7. Olá Claudio Louis,Le Dolphin

    Tenho certeza que em algum lugar do passado você reinou soberano,vestindo longas capas de arminho e cavalgando maravilhosos andaluzes brancos

    ResponderExcluir
  8. Marli, até nos comentários vc é especial. tou viciada nesse blog. Dizia, no comentário que sumiu, se aquilo é cultura, este post é um espetáculo. Mas agora reli, e vc acrescentou coisas nao foi? meu...


    A mesclagem mostra o ponto de vista do outro, faz aceitar as diferenças, faz nos aceitarmos originais.

    Aculturação não é só uma necessidade, é uma obrigação.

    vou então servir-me :) querida, que delícia, que privilégio lê-la.
    Bjo gingante, como diz o Joãozinho :)

    ResponderExcluir
  9. Oi Patrícia talentosa,
    que bom que cê tambem veio.
    Obrigada

    ResponderExcluir
  10. Mas, num é que o passarinho que me contou nao mentiu?? Maliu de blog! É o fim dessas poucas vergonhas no ciberespaço! EU sabia que essa família nao tinha só tristeza. Deus é pai.

    Beijocas, Maliu meu bem!

    Ivan.

    ResponderExcluir
  11. Isa Alecrim,
    Cê sabe que eu gosto paca da sua aprovação,ne?
    Bom como esta nhonha estava meio que fora do ar o meu rascunho foi postado e cê leu ainda nas tentativas.Mas foi legal.Obrigada.

    ResponderExcluir
  12. Ivão Terrível
    procê vê que não ha mal ....etc,etc
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  13. Ah, e ainda não lhe disse, AMO o meu cognome e todos os outros :) bjo gd, querida.

    ResponderExcluir
  14. Somos a ~unica esp~ecie lamarckista do planeta.
    Nossas inovaçoes, de fato, sao transmitidas imediatamente para a geraçao seguinte.

    ResponderExcluir
  15. olá poeira e volta por cima
    descobri agora que os recados não sõ exibidos na
    data que eu leio mas no assunto pertinente.Qualquer dia eu aprendo a lidar com esta máquina e ceis vão ver só!

    ResponderExcluir
  16. olá poeira
    lamarckista de fato ou de feto?

    ResponderExcluir
  17. Maliu, adorei o texto, saboroso, verdadeiro.
    Fal saiu a você!
    Bom estar aqui.

    ResponderExcluir
  18. olá Lúcia mais que ares
    Temo que o talento da Fal seja inatingível pra mim. Eu vou tenteando(*o verbo é do meu pai).

    ResponderExcluir

Olá, deixe seu recado para mim :o) Um beijo, Maliu